O Instituto Gabi

Olá!

Finalmente, estou retomando as postagens. Apesar de quase um mês do ano já ter se passado, ainda aproveito a oportunidade desta postagem para desejar a todos os queridos leitores muita alegria para 2011. Que seja um ano no qual todos nós possamos fazer boas ações, usar a criatividade para o bem de pessoas, de animais e da natureza em geral. Que seja um ano de solidariedade, de realizações no sentido de se buscar um mundo mais digno para todos.

Para reiniciar as postagens, quero apresentar para vocês uma instituição beneficente bastante séria de São Paulo: o Instituto Gabi. Já falei dela aqui no blog no passado, mas vale a pena retomar este assunto, perante a idoneidade da instituição, que oferece apoio a famílias de baixa renda de crianças com deficiências, e do trabalho que ela desenvolve.

Atualmente, o Instituto Gabi é referência no atendimento a crianças com deficiência, reconhecido pela sua competência pelo poder público, pela mídia e pela comunidade em geral. Eu já tive a chance de acompanhar um pouco deste trabalho pessoalmente, enquanto ministrava aulas de artesanato para as mães de crianças atendidas pela casa nos últimos dois anos. A equipe toda da casa é empenhada em oferecer condições melhores para as crianças assistidas, eles trabalham com grande empenho para de fato fazer a diferença na vida destas crianças e de suas famílias.

Alguns devem estar se perguntando: mas este blog não tem a proposta de divulgar coisas boas que se faz através de manifestações criativas? Onde estão elas? A resposta é que o próprio Instituto é resultado de uma manifestação criativa, da transformação de um fato triste em uma ideia iluminada, da esperança de se enxergar novos horizontes mesmo quando a tristeza se faz presente.

A menina Gabi, que dá nome à casa, era uma criança linda e generosa. Porém, aos 6 anos, enquanto tentava ajudar uma pessoa necessitada, ela foi arrancada das mãos de seu pai por um carro, na rua, e perdeu a vida. Seus pais, Francisco e Iracema, em meio ao sofrimento pela perda, conseguiram forças para trilhar um novo caminho, transformando a dor da perda em um gesto de amor à Gabi e a pessoas necessitadas em geral. Eles criaram o Instituto Gabi, com a proposta de atender crianças com necessidades especiais, de famílias de baixa renda.

Entre todos os exemplos que já demos aqui no blog, sobre transformar a necessidade em uma realização, talvez esse seja um dos mais significativos, porque mostra o potencial do ser humano em realmente realizar a partir da dor, começando do zero e chegando a um resultado admirável.

Você pode ajudar!!

Você pode ajudar o Instituto Gabi de várias maneiras, tanto como pessoa física, quanto como empresa. A casa precisa de materiais para o seu funcionamento, de divulgação, de voluntários, assim como de verba para a construção de sua sede própria, absolutamente necessária para a melhoria da instituição.

Veja abaixo algumas sugestões de ajuda. Os dados foram tirados do site do instituto, www.institutogabi.org.br. Maiores informações e a confirmação de informações podem ser obtidos diretamente na instituição.

Grande abraço a todos,

Com carinho,

Gina

 

Dados da Instituição:

Instituto Gabriele Barreto Sogari – Instituto Gabi
Rua Gustavo da Silveira, 128 – Vila Santa Catarina
São Paulo – SP – CEP 04376-000
Tel / Fax: (11) 5564-7709 / (11) 5563-1566

Contas bancárias:

  • Bradesco: Ag. 1480-0 CC 34620-9
  • Banco do Brasil: Ag. 1545-8 CC 6168-9
  • Banco Itaú: Ag. 0767 CC 38918-2

DOAÇÃO ONLINE

Você pode doar qualquer valor para o Instituto Gabi, clicando no botão abaixo.

Parte superior do formulário

Parte inferior do formulário

 

O VOLUNTARIADO PRESENCIAL E ONLINE

Você pode ser voluntário no Instituto de duas maneiras:

Presencial: participar das ações em diferentes áreas do Instituto Gabi

  • Auxiliar nos atendimentos das crianças e adolescentes com deficiência, com a orientação dos educadores;
  • Colaborar com os serviços da casa: manutenção, bazar, limpeza, cozinha
  • Auxiliar nas atividades dos finais de semana
  • Participar dos eventos e divulga-los

Online: colaborar com os programas do Instituto Gabi sem sair de casa:

  • Atuar nas ações de comunicação e marketing
  • Na consultoria jurídica para os familiares. Trata-se de uma orientação jurídica para as diferentes demandas: legislação, benefícios;
  • Assessoria jurídica para a ONG;
  • Orientação nas diferentes áreas: administração, pedagogia, informática, etc.

COMO SUA EMPRESA PODE AJUDAR

Sua empresa contribui com o Instituto Gabi e a doação é abatida do imposto de renda. Como fazer isso?
Acesse: http://fumcad.prefeitura.sp.gov.br/

Passo 1: A primeira tela que surge traz os links das entidades cadastradas. Escolha o Instituto Gabi. Clicando sobre o nome da entidade você pode ver maiores informações sobre a instituição e os projetos que poderão ser beneficiados.

Passo 2: A partir da tela de detalhes da instituição, clicando no botão “Efetuar doação para este projeto” o sistema irá solicitar seus dados.

Passo 3: Preencha os campos e clique no botão “Confirmar”. A seguir confirme a geração do boleto.

Limite de dedução:

O valor limite de dedução direta do imposto de renda devido é de 1%, aplicável sobre o valor devido à alíquota de 15%, não sendo permitida qualquer dedução sobre o adicional de 10%.
A legislação somente permite a dedução do imposto para as pessoas jurídicas que apurem o imposto de renda com base no lucro real.

Indedutibilidade da doação:

O valor da doação é considerado indedutível como despesa operacional, para a pessoa jurídica doadora.

Prazo de pagamento da doação:

O valor deverá ser pago até o último dia útil de cada período de apuração do imposto, trimestral ou anual.

Base Legal:

Lei nº 8.069, de 13 de julho de 1990, art. 260. Decreto nº 3.000, de 26 de março de 1999, art. 591.

A sua Empresa e um Projeto Social de Qualidade

A cultura da responsabilidade social é um dos valores mais preciosos das empresas que cada vez mais adotam programas de ações sociais. No Instituto Gabi, as corporações podem participar de diferentes iniciativas: voluntariado, jornadas de trabalho, mutirões, dia de fazer a diferença, de responsabilidade social, doações diversas, etc.

Servem de exemplo as campanhas do Wall Mart (Loja de Santo Amaro) e da Hamburg Sud (Granja Santo Antônio) que realizaram jornadas de trabalho voluntário para limpeza e pintura do prédio, e da OMRON (Vila Santa Catarina) que promoveu um dia de lazer junto às crianças e adolescentes com deficiência.

Há outras corporações que realizam ações diretamente com as crianças e adolescentes com deficiência, atendidos no Instituto Gabi.

Um bom programa de responsabilidade social para a empresa e para a sociedade traz benefícios diretos e indiretos.

As empresas que apoiam o Instituto têm como resultados compensatórios imediatos:

  • Dedução fiscal
  • Relatório social
  • Veiculação na imprensa
  • Fortalecimento do negócio

E indiretamente, são beneficiadas com a valorização da imagem institucional e da marca. Ao apoiar o Instituto Gabi, as empresas agregam o valor de um projeto social de qualidade, porque é reconhecido junto ao poder público e pela comunidade.

A integração das empresas na comunidade é mais um passo para uma sociedade mais justa e o resultado é um futuro melhor para todos.

Ajude a construir a Casa Gabi

 

 

Além das 70 crianças e adolescentes com deficiência que recebem o atendimento no Instituto Gabi, há uma longa lista de espera de famílias que aguardam uma vaga.

Ajude o adquirir a sede própria e acolher estas famílias que precisam de atendimento. É a oportunidade de agregar a imagem da sua empresa a um projeto social de qualidade e ter sua contribuição deduzida no imposto de renda.

 

Você também pode fazer um Mundo melhor. Faça a diferença.

 

 

Retomando o blog…

Pessoal,

Estive ausente por algum tempo, mas estou de volta! Logo retomarei a postagem semanal de histórias de criatividade com artesanatos, artes, meio ambiente, etc.

Por enquanto, deixo para vocês esta mensagem de Cora Coralina.

Abraços,

Gina

Saber Viver

Não sei… Se a vida é curta
Ou longa demais pra nós,
Mas sei que nada do que vivemos
Tem sentido, se não tocamos o coração das pessoas.

Muitas vezes basta ser:
Colo que acolhe,
Braço que envolve,
Palavra que conforta,
Silêncio que respeita,
Alegria que contagia,
Lágrima que corre,
Olhar que acaricia,
Desejo que sacia,
Amor que promove.

E isso não é coisa de outro mundo,
É o que dá sentido à vida.
É o que faz com que ela
Não seja nem curta,
Nem longa demais,
Mas que seja intensa,
Verdadeira, pura…
Enquanto durar.

(CoraCoralina)

 

Projeto “Olha que jóia”

Fonte: http://www.projetoolhaquejoia.blogspot.com/

O Projeto Olha que Jóia! começou recentemente em Belo Horizonte. Idealizado por Raquel Bouchardet (Bouchardet Bijou: http://bouchardetbijou.blogspot.com/), o projeto ensina pessoas de baixa renda a fazerem bijuterias em biscuit. Conta com a ajuda de empresas e pessoas físicas que contribuem mensalmente em valores ou produtos para viabilizar o projeto. Porém, o projeto ainda precisa de muitos colaboradores para decolar e conseguir andar por si só. A todos os interessados em ajudar, é uma idéia que certamente vale a pena. Vejam abaixo mais informações.

Finalidade do projeto:


Capacitar e dar condições de geração de  renda nas vidas das participantes, cidadania, maior auto-estima, criar união no grupo da oficina, oferecer uma nova perspectiva de vida para as jovens, dando um ofício e levando-as a crer que elas têm valor, que elas “podem”! Que são capazes de vencer!… Afastando, assim, dos caminhos das drogas e da violência.

Os encontros:


As alunas participam das aulas na oficina gratuitamente e recebem um lanche oferecido pelos colaboradores, a cada aula.
Além disso, são trabalhados temas que falam de caráter, honestidade, humanidade, sociedade, solidariedade, relacionamento, liberdade , ética etc.
O grupo se conhecerá, conviverá, amadurecerá, se tornando um ponto de apoio na vida de cada uma das participantes. E então, serão capacitadas como multiplicadoras, que gerarão outras células edificadoras de vidas.
Esse primeiro grupo é a célula MÃE.
(Local: Bairro Serra, cidade Belo Horizonte – MG – Brazil).

O futuro:


Ao finalizar as confecções das bijuterias, serão promovidas “feirinhas”, para que os produtos sejam vistos pela população, expostos ao público, dessa forma fazendo com que as participantes se sintam incentivadas.
E também para que as jovens (como artistas) vejam suas obras sendo vendidas e valorizadas.
O lucro que o grupo obtiver com o trabalho de todas, será revertido em prol do interesse coletivo ( decidido por votação).  A idéia da organizadora é que o grupo funcione como um grupo cooperativista.

Contato:

Raquel Bouchardet
E-mail: bouchardetbijou@hotmail.com

Fotos do projeto


Trabalho artesanal

Além de aprender uma profissão, o grupo é preparado para disputar uma vaga no mercado de trabalho.
No Instituto Reciclar, as pilhas de papel descartado ganham um destino nobre.

“Hoje nós temos 60 empresas que doam todo o lixo do escritório para nós. Esse lixo do escritório que é basicamente os papéis, ele vem pra cá e aqui ele sofre um processo de seleção”, diz João da Cruz Filho, gerente de produção.

A reciclagem é artesanal. O papel fica de molho por 24 horas. Água, cola e corantes são misturados com o material.

Em seguida, os jovens aplicam o líquido sobre um tecido e retiram o excesso de água.

Depois de secar no varal, o papel, já reciclado, é separado do pano e levado para a prensa.

“A cada uma hora, todos os postos de trabalho se revezam e a idéia é sempre trabalhar com esses garotos o sentido do trabalho em equipe”, diz João da Cruz Filho, gerente de produção.

“Aprendi a ter mais paciência com as outras pessoas e conviver com as diferenças de todos. Eu aprendi a conversar mais em casa, a contar como foi meu dia”, diz Naiara da Cunha, 16 anos.

“Nós temos empresas que chegam pra nós e dizem ‘nós queríamos desenvolver esse produto, mas gostaríamos que ele tivesse uma cara social, uma cara e tivesse um conceito sócio-ambiental’. Então, tudo isso nós fazemos aqui: brindes, eventos, crachás, pastas, cadernos, enfim, tudo que é possível se fazer em papel nós desenvolvemos aqui com os garotos”, diz João da Cruz Filho, gerente de produção.

Com o dinheiro da venda dos artigos, o Instituto Reciclar mantém há 14 anos um projeto de capacitação profissional.

“Eles começam aqui com 14 anos, na oitava série, quando completam 16 anos são admitidos como empregados, com carteira assinada, ganhando um salário mínimo mensal. O nosso objetivo não é que o adolescente sai daqui especialista em reciclagem artesanal de papel, nós queremos que saia daqui tendo um embasamento suficiente para ir disputar o mercado com qualquer outra pessoa”, diz Paulo de Carvalho, gerente administrativo.

Além de garantir o primeiro emprego, o projeto também na complementa a formação escolar.

“A gente trabalha muita leitura, muita escrita, muito desenvolvimento de raciocínio, elaboração nas aulas de informática de currículo, de como fazer um projeto”, diz Moira Demange, coordenadora pedagógica.

Ex-aluno do Instituto, Marcos foi contratado para dar aulas de informática.

“Essas coisas mais corriqueiras do trabalho que eles vão utilizar no mercado de trabalho. Planilhas, como escrever um texto corretamente, fazer uma carta, essas coisas mais básicas”, diz Marcos Pereira, instrutor de informática.

Simone também foi aluna do Reciclar. Há dois anos trabalha numa das empresas parceiras do instituto.

“É uma questão de inteligência para o empresário contratar essas pessoas. São pessoas com muita capacidade, só precisavam mesmo de uma oportunidade, verdadeiras pérolas mesmo, que eu tenho encontrado nesses anos. Já são 10 anos que a gente contrata”, diz Mara Greb, empresária.

“Eu nunca pensei que eu fosse conseguir fazer faculdade que eu estou fazendo hoje, que eu fosse estar nos cargos que eu estou hoje e agora eu tenho novas, enfim, novas expectativas pra minha vida e tudo devido ao Reciclar”, diz Simone da Costa, ex-aluna do instituto.

O Instituto Meio

(fonte de dados: http://www.institutomeio.org/)

O Instituto Meio é uma entidade de apoio à ações empreendedoras que promovam a inclusão econômica e social, diminuindo as desigualdades e melhorando a vida das gerações atuais e futuras.
O Instituto oferese suas experiências, metodologias e conhecimentos para tornar empreendimentos sociais comunitários verdadeiros agentes de mudanças.

Renda e Comunidade
Projetos para desenvolver ou fortalecer atividades econômicas em comunidades, valorizando a cultura e vocação local. Tanto empresas privadas como órgãos públicos podem apoiar essas iniciativas.


Tecnologia e Design

Realização e implementação de estudos, pesquisas e soluções que permitam melhorar processos, produtos e/ou metodologias que contribuam para o desenvolvimento sustentável. Projeto destinado a micro e pequneas empresas, comunidades, artesãos e ONGs/associações.

Veja como colaborar:
Pessoa Jurídica:

•Contribuindo com redes de contatos;
•Divulgando objetivos, produtos, necessidades e projetos do Instituto Meio;
•Adquirindo brindes institucionais;
•Patrocinando projetos realizados pelo Instituto Meio.

Pessoa Física :

•Tornando-se membro da equipe multidisciplinar, atuando em projetos que necessitem de seus conhecimentos. Entre em contato!;
•Contribuindo com redes de contatos;
•Divulgando nossos objetivos, produtos, necessidades e projetos.

Projeto de transformação de materiais recicláveis

(Fonte: http://www.guardioesdomar.blogspot.com/)

A ONG Guardiões do Mar apresenta um histórico de gestão participativa e comunitária, onde alia a preservação ambiental, através do uso de material reciclável pós-consumo, tanto na área do artesanato (reaproveitamento), quanto na área do atacado (reciclagem).

O Mosaico Ecológico, a fabricação de móveis com PET, o Artesanato com Jornal e a produção de peças de decoração e utensílios para o lar com o uso de fibras naturais são Tecnologias Sociais (TS)nacionalmente conhecidas, capazes de gerar renda e ao mesmo tempo minimizar o impacto ambiental de resíduos sólidos no ambiente, aumentando o tempo de vida útil de Aterros, diminuindo o gasto energético para novas produções, não contribuindo com o aquecimento global, dentre outros aspectos positivos. Além disso, empregando mais que os 3 R’s (Reduzir, Reutilizar e Reciclar), usando mais dois, Responsabilidade Social e Respeito ao Meio Ambiente.

Onde está sendo reaplicada: RJ. Em diversos municípios: Niterói, São Gonçalo, Itaboraí, Magé, entre outros.

MOSAICO ECOLOGICO

O Mosaico Ecológico, chamado por alguns também de Mosaico Social, é a substituição de ladrilhos e cerâmicas, na confecção de peças com cobertura de mosaico, por plásticos coloridos de embalagens, pós-consumo (frascos de cosméticos, produtos alimentícios, de limpeza, etc.). Esta técnica visa gerar renda com a transformação de um passivo ambiental em insumo. Uma das vantagens de uma Tecnologia Social (TS) é sua apropriação gratuita, possibilitando diferentes grupos de se beneficiarem com ela. O Mosaico ecológico é desenvolvido pela Cooperativa Manguezarte da Ilha de Itaoca em São Gonçalo/RJ.

CONFECÇÃO DE MÓVEIS E ARTESANATO COM JORNAL
O Artesanato com Jornal é uma variação extremamente profícua do emprego de um passivo ambiental como matéria prima de arte e utilitários. Também neste caso o objetivo foi aliar geração de renda e proteção ao ambiente, especificamente com preservação de flora e energia. As peças com jornal são confeccionadas pelo artesão Ednelson e pela Cooperativa Modelarte – Ateliê Mulheres das Pedrinhas, cuja sede fica no bairro Boa Vista em São Gonçalo/RJ.

FIBRAS NATURAIS
A produção de peças de decoração e utensílios para o lar com o uso de fibras naturais nasceu da necessidade de que comunidades sem acesso aos descartes freqüentes das grandes metrópoles tivessem possibilidade de gerar renda e empregar produtos naturais, que previamente fossem avaliados quanto ao impacto ambiental advindo de sua extração, para servirem de matéria prima para a fabricação de diversos produtos.

A importância de uma embalagem bem feita

Fonte: http://www.embalagemparatodos.com.br/p/klkcl.html

Pessoal,

Sempre defendi a idéia de que a embalagem é tão importante quanto o produto. Quando comercializamos alguma peça artesanal, temos também que pensar na sua embalagem. Muitas vezes, é a embalagem que conquista um cliente. Uma vez, fui numa lojinha de produtos artesanais onde comprei uma bolsa e pedi que ela fosse embalada para presente. Fiquei surpresa quando eles colocaram minha compra dentro de um saquinho de chita, coisa mais linda! Não lembro mais do modelo da bolsa, mas lembro claramente de como era a embalagem.
Leiam o texto abaixo e se divirtam! E a partir de agora, caprichem nas embalagens dos seus produtos!
Abraços,
Gina

A embalagem é o cartão de visitas do produto
A embalagem é um componente obrigatório e decisivo para o sucesso comercial de praticamente todos os produtos de consumo, é a primeira impressão que o consumidor tem de um produto. A proteção que ela proporciona, as cores, os desenhos, as informações, o tamanho… são observados no momento da compra.

Antigamente, as funções das embalagens eram proteger e auxiliar no transporte de alimentos e produtos. Porém, com o desenvolvimento da sociedade e de sua atividade econômica, a embalagem foi se tornando cada vez mais importante em nossas vidas e se incorporou ao nosso dia-a-dia, com novas funções, formas e cores.

Em pesquisa realizada pela ABRE – Associação Brasileira de Embalagem foi verificado que o consumidor não separa a embalagem de seu conteúdo, ou seja, se uma embalagem é boa, adequada ao produto o consumidor vai considerar que o produto que ela acondiciona também é bom.

A embalagem possibilita um melhor aproveitamento de espaço no armazenamento e transporte de produtos. Outro fator importante é a proteção. Imagine um produto que sai do Norte do Brasil em direção ao Sul, como será que ele chegaria ao seu destino sem a proteção da embalagem?

Porém, a embalagem não é apenas um meio de proteção, armazenamento e transporte de produtos. Ela possibilita uma relação afetiva individual dos consumidores com o produto, e é a embalagem que acompanha o consumidor até a sua casa.

Cabe à embalagem transmitir a qualidade do produto, seus diferenciais, forma de uso, aplicação, entre outros pontos. A embalagem é a identidade da empresa que ela representa e em muitos casos é o único meio de comunicação do produto. O bom design de embalagem pode garantir uma boa comunicação com o consumidor, informando sobre o produto e expondo seu caráter.

O objetivo do projeto ABRE-SEBRAE é atender micro e pequenas empresas desenvolvendo design de embalagens por profissionais qualificados com valores acessíveis, subsídio parcial do SEBRAE e a coordenação da ABRE, com sua extensa experiência na área. O desenvolvimento dos projetos será feito por agências de design especializadas nessa atividade. Com embalagens criadas por empresas de design que conhecem o mercado consumidor, os produtos fabricados pelas micro e pequenas empresas estarão aptos para competir no mercado, além de otimizar custos, reduzir as perdas, ganhar eficiência no transporte e se posicionar melhor perante à concorrência.

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.